Depressão e estresse: existe um endofenótipo?